quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Poema Sibilante nº 3

Subi, sem sombra, sem suar... só sorrindo.
Sem saber: Subir sem sustento sempre cede.
E sigo sorrindo, se esse sorriso serve.
Se cedo, sua soberania se sobrepõe.
E assim, se sumir seu sabor,
Salivo aos suspiros, e sua saborosa sorte me cerca.

Seus seios sinuosos se sobrepujam sob o céu.
Seu sábio saber cintila sobre o seu seu ser.
Se sei sentí-las, sinto-me solto em seu sonho.
Se saio, me sinto salgado, sujo...
Somente na sua silhueta sugo o sumo supremo.

E sigo subindo, suando, sonhando...
Se sorrio, saiba: Sou solitário, sobrevivo sob sua sombra.
E seu sumo em meu sorriso me sustenta sem cessar.

Anshar Tammuz

2 comentários:

Anônimo disse...

leitura tensa heim!

Ahh...Line. disse...

drooga devia ter idoo...