quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Uma luz invade o local, andante serelepe, atravancando-se nos mais ínfimos espaços que sua angular lhe permite, dando origem aquilo que chamamos de "cor".
Na realidade, não quero ir. Se posso ficar, ir pra outro lugar, ou só não ir...
Na realidade, não acredito nela. Nem no real, nem no euro, nem no óleo preto...
Na real, passo a crer que isso não existe, isso meio bagunçado perdido que chamamos de vida.

Mas ainda temos cores...

Um comentário:

Anita Vicious disse...

Eu ando pelo mundo
E os automóveis correm
Para quê?
As crianças correm
Para onde?
Transito entre dois lados
De um lado
Eu gosto de opostos
Exponho o meu modo
Me mostro
Eu canto para quem?

( ler textos, trazem músicas junto ao seu molde)

=)